Notícias

Saúde

Saúde

18 de Dez // Foto: André Borges / Agência Brasil | Saúde

O Brasil pode perder o certificado de erradicação do sarampo caso novos casos sejam registrados até fevereiro de 2019. A doença estava erradicada no país desde 2016, quando o certificado foi concedido pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). Até a última segunda-feira (10), foram confirmados mais de 10 mil casos de sarampo. Somado a isso, o país tem registrado queda na cobertura vacinal da população.

 

Em 2017, o Ministério da Saúde registrou o menor índice de vacinação em crianças menores de um anos dos últimos 16 anos. Todas as vacinas recomendadas para adultos também estão abaixo da meta de cobertura ideal. Em 2018, a campanha de vacinação contra o sarampo e a poliomielite para crianças de um a cinco anos atingiu a meta de 95% em todo o país.

 

No entanto, a cobertura da vacina em adultos ainda permanece em baixa, assim como o acumulado para outras vacinas segundo informações do G1. A taxa de cobertura da tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) é de apenas 4,7% no acumulado entre 1994 e 2018. A meta é 95%. Para Renato Kfouri, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunização, o surto de sarampo no país está diretamente associado à queda na cobertura vacinal.

Saúde

18 de Dez // G1 | Saúde

Os médicos brasileiros com com registro no Conselho Regional de Medicina têm até esta terça-feira (18), para se apresentarem nos municípios em que se inscreveram na primeira fase do programa Mais Médicos. Até ontem (17), 5.935 (cerca de 70,5%) dos 8.411 profissionais já haviam comparecido aos municípios do país onde devem trabalhar. A diferença foi de apenas 44 pessoas em relação ao último balanço.

 

O Ministério da Saúde deve divulgar ainda nesta próxima quarta-feira (19) um balanço das vagas restantes, somando as desistências com aquelas que não foram ocupadas com os aprovados na primeira fase de seleção. Das 8.517 vagas oferecidas no programa, 106 não foram preenchidas, a maioria em distritos indígenas. (Confira cronograma ao final da matéria).

 

A partir da próxima quinta-feira (20), médicos brasileiros com registro no Conselho Regional de Medicina no Brasil podem, mais uma vez, escolher municípios com vagas disponíveis. Outros 10.205 profissionais médicos brasileiros ou estrangeiros formados no exterior completaram a inscrição de participação no Programa Mais Médicos segundo informações do G1. O prazo para envio de documentos no site do programa terminou neste último domingo (16).

Saúde

17 de Dez // Foto: Divulgação / Portal Brasil | Saúde

O Ministério da Saúde informou que, até 10h desta segunda-feira (17), 5.935 (cerca de 70,5%) dos 8.411 profissionais inscritos na primeira fase de seleção do programa Mais Médicos do governo federal já haviam comparecido aos municípios do país onde devem trabalhar segundo informações do G1. Em relação ao balanço do Ministério da Saúde divulgado na última sexta-feira (14), é uma diferença de 44 pessoas.

 

Os 2.476 restantes (cerca de 30% do total de selecionados) têm até terça-feira (18) para se apresentarem às prefeituras, depois que o ministério prorrogou o prazo de comparecimento. Das 8.517 vagas oferecidas no primeiro edital, 106 não foram preenchidas, a maioria em distritos indígenas. As inscrições para o programa foram abertas no dia 20 de novembro.

 

O objetivo das inscrições era selecionar brasileiros para substituir os médicos cubanos do Mais Médicos. No último dia 14 de novembro deste ano, Cuba decidiu retirar seus profissionais do país, citando "referências diretas, depreciativas e ameaçadoras" feitas pelo presidente eleito Jair Bolsonaro. Outros 10.205 profissionais brasileiros ou estrangeiros formados no exterior completaram a inscrição de participação no Programa Mais Médicos.

Saúde

17 de Dez // Foto: Camilla Carvalho / Butantan | Saúde

O Butantan e a farmacêuticeutica MSD (Merk, nos EUA) anunciaram colaboração para o desenvolvimento da vacina da dengue, que pode render mais de US$ 100 milhões (cerca de R$ 390 milhões) à instituição brasileira, além de royalties. O plano envolve troca de informações com relação à fabricação da vacina com base no vírus da dengue atenuado TV003 obtido dos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos.

 

A vacina do Instituto Butantan está em fase 3 de desenvolvimento, a última antes do lançamento final do produto ao passo que a versão da empresa americana ainda está na primeira etapa de testes com humanos. Para a MSD (Merk, nos EUA), as informações podem garantir um lançamento mais ágil da imunização segundo informações da Folha.

 

Pelo acordo, a empresa distribuirá o produto em mercados da América do Norte e Europa, entre outros. No Brasil a distribuição permanecerá com o Butantan. O Butantan receberia royaties por essas vendas e poderia se beneficiar de alguns testes a serem desenvolvidos em localidades em que circulam vírus diferentes daqueles, onde a vacina do instituto foi testada, como em locais da Ásia onde circula o subtipo quatro do vírus, mais raro no Brasil.

Saúde

17 de Dez // Foto: iStock | Saúde

O Ministério da Saúde atualizou na última semana, as informações repassadas pelas secretarias estaduais de saúde sobre a situação do sarampo no país. Desde o início deste ano, até 10 de dezembro, foram confirmados 10.262 casos no Brasil. O país enfrenta dois surtos de sarampo: no Amazonas com 9.779 casos confirmados e, em Roraima, com 349 casos. Três estados apresentaram óbitos pela doença.

 

Os estados são: Roraima, seis no Amazonas e dois no Pará. Os surtos ocorridos esse ano estão relacionados à importação, já que o genótipo do vírus (D8), que está circulando no Brasil, é o mesmo que circula na Venezuela, país com surto da doença desde 2017. Alguns casos isolados, e também relacionados à importação, foram identificados em cerca de dez estados.

 

São eles: São Paulo (3), Rio de Janeiro (19); Rio Grande do Sul (45); Rondônia (2), Bahia (2), Pernambuco (4), Pará (54), Distrito Federal (1) e Sergipe (4). O Ministério da Saúde permanece acompanhando a situação e prestando o apoio necessário aos estados. Cabe esclarecer que as medidas de bloqueio de vacinação, mesmo em casos suspeitos, estão sendo realizadas em todos os estados segundo informações do Ministério da Saúde.

Saúde

14 de Dez // G1 | Saúde

O Ministério da Saúde informou que até as 18h desta última quinta-feira (13), 6.634 profissionais médicos brasileiros ou estrangeiros formados no exterior completaram a inscrição de participação no Programa Mais Médicos. O prazo para que formados no exterior declarem interesse em participar do programa termina nesta sexta-feira (14). Para esses profissionais, o governo federal exige uma lista com 17 documentos.

 

Entre os documentos, o reconhecimento da instituição de ensino pela representação do país onde os profissionais obtiveram a formação. Com essa medida, poderão ser contratados médicos que não fizeram o Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeira, conhecido como Revalida.

 

O chamado para médicos no exterior é a segunda fase da seleção de médicos para substituir os cubanos que deixaram o programa. De acordo com o governo de Cuba, nesta quinta chegou ao país o último grupo de médicos que ainda atuava no Brasil. O ministério divulgou ainda um balanço da primeira fase do edital, na qual a pasta buscava preencher 8.517 vagas com profissionais com registro. Veja abaixo o cronograma da 2ª etapa de seleção.

Saúde

13 de Dez // Foto: Divulgação | Saúde

A Bahia tem 255 cidades em situação de alerta ou risco de surto de dengue, zika e chikungunya, segundo informações do Ministério da Saúde. De acordo com o órgão, os dados são resultado do Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) deste ano. Das 255 cidades destacadas no estado, 186 estão em alerta, incluindo Salvador. Outras 69 estão com risco de surto das doenças.

 

Na Bahia, a maior parte dos criadouros foi encontrada em depósito de água (5.427), seguida de depósitos domiciliares (1.735) e lixo (490). No país, 5.358 mil municípios - 96,2% da totalidade de cidades - realizaram algum tipo de monitoramento do mosquito transmissor dessas doenças, sendo 5.013 mil por levantamento de infestação (LIRAa/LIA) e 345 por armadilha.

 

A metodologia é utilizada quando a infestação do mosquito é muito baixa ou inexistente. O ministério recomenda aos municípios que realizem ao menos quatro vezes ao ano o LIRAa. Em janeiro de 2017, a pasta publicou Resolução nº 12 que torna obrigatório o levantamento entomológico de infestação por Aedes aegypti pelos municípios e o envio da informação para as Secretarias Estaduais de Saúde e destas, para o Ministério da Saúde.

Saúde

13 de Dez // G1 | Saúde

Até esta última quarta-feira (12), a dois dias do prazo para a entrega de documentação do programa Mais Médicos, 459 profissionais já se apresentaram nas unidades de saúde para as quais foram destinados na Bahia. A informação foi divulgada pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesab). De acordo com a Sesab, dos 459 que já entregaram a documentação, 286 já começaram a trabalhar nas unidades de saúde.

 

Outros 173 profissionais ainda não iniciaram as atividades, por motivos pessoais, mudança ou prazo de desligamento de outro vínculo. Ainda conforme a Sesab, outros 350 médicos garantiram vagas, mas ainda não compareceram nas unidades de saúde para entregar os documentos necessários. O prazo para a apresentação vai até a próxima sexta-feira (14).

 

De acordo com o Ministério da Saúde, das 8.517 vagas disponibilizadas em todo o Brasil, 106 não foram ocupadas. Na Bahia, das 853 vagas ofertadas, 5 ficaram disponíveis, segundo a Secretaria da Saúde. Contudo, até esta quarta-feira, das 848 ocupadas, 7 voltaram a ficar livres, porque 2 médicos não concordaram com as condições normativas do programa e 5 não possuíam documentação necessária para participar dele.

Saúde

11 de Dez // Foto: Agência RBS | Saúde

Faltando quatro dias para o fim do prazo de apresentação, apenas 53% dos profissionais inscritos no Mais Médicos haviam comparecido aos postos de trabalho até esta segunda-feira (10). Dos 8.411 profissionais selecionados, 4.507 haviam se apresentado nas cidades escolhidas para atuar. O prazo final é na sexta (14). O início da data em que cada médico começará a trabalhar deve ser definido pelos gestores locais.

 

"No dia 17 de dezembro será feito um balanço das vagas disponíveis, o que soma as desistências e as aquelas que não tiveram procura. Então, os profissionais com registro no país (CRM) terão nova chance para se inscrever no programa e escolher os municípios do páis disponíveis nos próximos dias 18 e 19 de dezembro", diz o Ministério da Saúde em nota.

 

O levantamento ainda aponta que 106 vagas em 29 localidades ainda não foram preenchidas no programa. Por isso, as inscrições continuam abertas. A pasta afirma que "os participantes possuem autonomia em assumir ou não a vaga selecionada" e diz que vai continuar recrutando interessados até que todas as posições sejam preenchidas. Inicia-se amanhã a etapa de inscrição de profissionais brasileiros e estrangeiros formados no exterior.

Saúde

10 de Dez // G1 | Saúde

Das 8.517 vagas disponibilizadas no edital da primeira etapa de seleção do Programa Mais Médicos, 106 não foram ocupadas, informou o Ministério da Saúde nesta segunda-feira (10). Os lugares remanescentes estão distribuídos entre oito distritos indígenas e 19 municípios, todos na região Norte (confira tabela ao final da reportagem). O Amazonas é o estado com mais vagas remanescentes. São cerca de 80 vagas.

 

Inicialmente, o Ministério da Saúde informou que 107 vagas não tiveram inscritos. Mais tarde, corrigiu a informação para 106. A reportagem foi atualizada às 12h06 (horário de Brasília) segundo informações do G1. De acordo com o levantamento final, não houve interessados em um distrito indígena (Dsei) — Médio Purus, no Amazonas — e em outros dois municípios.

 

Os municípios são: Terra Santa, no Pará, e Castanheiras, em Rondônia. O Ministério da Saúde publicou nesta segunda (10), o edital para a segunda etapa de seleção de profissionais para o programa. Podem se inscrever, a partir desta terça (11), médicos com CRM no Brasil ou formados no exterior, mesmo sem revalidar o diploma. Foi aberta, no dia 20 de novembro, uma seleção de emergência para substituir os cubanos do Mais Médicos.

Saúde

09 de Dez // Foto: Fiocruz | Saúde

O Ministério da Saúde atualizou nesta última semana, as informações repassadas pelas secretarias estaduais de saúde sobre a situação do sarampo no país. Desde o início deste ano, até 4 de dezembro, foram confirmados 10.197 casos no Brasil. Atualmente, o país enfrenta dois surtos de sarampo: no Amazonas com 9.724 casos confirmados e, em Roraima, com 349 casos. Três estados apresentaram óbitos pela doença.

 

Os estados são: quatro em Roraima, seis no Amazonas e dois no Pará. Os casos confirmados no Amazonas são resultado de uma força-tarefa realizada neste mês em Manaus/AM. Mais de sete mil casos que estavam em investigação foram concluídos. A notificação de casos novos nas últimas semanas no Amazonas e em Roraima diminuiu consideravelmente.

 

Os surtos ocorridos esse ano estão relacionados à importação, já que o genótipo do vírus (D8), que está circulando no Brasil, é o mesmo que circula na Venezuela, país com surto da doença desde 2017. Alguns casos isolados, e também relacionados à importação, foram identificados nos estados de São Paulo (3), Rio de Janeiro (19); Rio Grande do Sul (45); Rondônia (2), Bahia (2), Pernambuco (4), Pará (44), Distrito Federal (1) e Sergipe (4).

Saúde

08 de Dez // Foto: Agência Brasil | Saúde

Um modelo baseado na atenção primária à saúde, no qual o paciente é recebido no sistema por um médico da família, é uma das principais ações de planos de saúde para cortar custos e desperdícios. Na atenção primária, também chamada de cuidado integral, o paciente ganha cuidados iniciais antes de ser encaminhado a especialistas. O pedido de exames é feito com menor frequência dentro do modelo de saúde.

 

Hoje, o beneficiário é submetido a consultas com baixa efetividade e pedidos de exames desnecessários, na avaliação de Alberto Gugelmin Neto, vice-presidente da Unimed do Brasil. Cerca de 70 unidades da Unimed já adotam o modelo, visto como um aposta de sustentabilidade para o futuro. A Amil é outra operadora que investe na expansão da estratégia.

 

Os cuidados primários, hoje prestados apenas por clínicas próprias da empresa, passarão a ser feitos em breve também por consultórios credenciados, aumentando o número de pessoas atendidas, segundo Alexandre Rosé, diretor de serviços clínicos da companhia. “Nossos resultados mostram que 84% das demandas que chegam à atenção primária são resolvidas antes que passem para outros níveis”, disse segundo informações do Folhapress.

Saúde

07 de Dez // Foto: Agência Brasil | Saúde

Com a dificuldade em fixar brasileiros no Mais Médicos, o ministro da Saúde, Gilberto Occhi, disse que a pasta avalia endurecer as regras para profissionais que desistem de atuar no programa antes do prazo final do contrato. Pela regra atual, médicos que ingressam no Mais Médicos não precisam devolver o valor de passagens aéreas e ajuda de custo para mudança caso fiquem no programa por seis meses segundo o Folhapress.

 

Hoje, esse auxílio pode chegar a até três vezes o valor da bolsa paga ao médico, ou R$ 35,4 mil. A ideia é que o valor de auxílio recebido tenha que ser devolvido de forma proporcional ao tempo em que o médico esteve no programa. O contrato vale por 3 anos. Caso o médico fique no programa apenas por um ano e meio, por exemplo, terá que devolver 50%.

 

"O médico, a depender da cidade onde vai, recebe uma ajuda de custo do Ministério da Saúde, que é uma atratividade do programa. Ele terá que devolver esse dinheiro caso desista e isso será de maneira proporcional, pro-rata. Se ficou seis meses, tem que devolver tudo. Se ficou um ano, tem que devolver proporcional", afirmou Gilberto Occhi. Segundo a reportagem apurou, a possibilidade é discutida para ser aplicada já em um novo edital.

Saúde

05 de Dez // Uol | Saúde

A médica pediatra Mayra Pinheiro, que ganhou projeção no país por se opor à participação de médicos cubanos no programa Mais Médicos no Ceará, foi convidada pelo futuro ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), para assumir a Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (STGES) segundo o Portal Uol. A médica confirmou que aceitou o convite em post no Facebook nesta quarta-feira (5).

 

"Trabalharei incansavelmente ao lado do ministro Luís Henrique Mandetta, para melhorar a saúde pública no meu país", disse Mayra Pinheiro em publicação nas redes sociais. A indicação da médica partiu da frente parlamentar da Medicina, da qual Mandetta é o líder. Pinheiro é professora universitária e presidiu o sindicato dos médicos do Ceará entre 2015 e 2018.

 

Pinheiro também participou como integrante da sociedade civil da Frente Parlamentar da Saúde no Congresso Nacional. "O convite foi técnico. É o reconhecimento por esse trabalho", disse a pediatra. Ela chefiará a secretaria que, entre outras atribuições, cuida do programa Mais Médicos. Em 2013, a classe médica cearense ganhou visibilidade nacional ao receber os profissionais cubanos do programa com vaias e aos gritos de "escravos".

Saúde

05 de Dez // Foto: Fabio Pozzebom/Agência Brasil | Saúde

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) emitiu um alerta na terça-feira (4) sobre o aumento do risco câncer de pele não-melanoma decorrente do uso cumulativo do medicamento hidroclorotiazida. O produto é utilizado para tratamento da hipertensão arterial e para controle de edemas. O estudo desenvolvido pela agência mostrou uma possível associação entre câncer de lábio e a exposição ao medicamento.

 

“A descoberta foi realizada por meio de estudos epidemiológicos que demonstraram uma associação dose-dependente cumulativa — que ocorre quando a dose utilizada de um determinado medicamento está diretamente relacionada com seus efeitos — entre o medicamento em questão e o câncer de pele não-melanoma”, diz a Anvisa segundo a Agência Brasil.

 

“Ações fotossensibilizadoras da hidroclorotiazida, que facilitam a sua absorção pela pele, podem atuar como um possível mecanismo para a doença”. A Anvisa levou em conta as recomendações do Comitê de Avaliação de Riscos em Farmacovigilância da Agência Europeia para classificar como plausível a associação entre o aumento do risco de câncer de pele não-melanoma e o uso em longo prazo de medicamentos contendo hidroclorotiazida.

Saúde

05 de Dez // Foto: Karina Zambrana | Saúde

O Ministério da Saúde irá reabrir 200 vagas de profissionais que desistiram de trabalhar no programa Mais Médicos segundo informações do G1. As inscrições poderão ser feitas pelo site a partir das 18h desta quarta-feira (5). De acordo com a pasta, o principal motivo alegado pelos médicos é a incompatibilidade de horário com outras atividades. Os profissionais precisarão se dedicar 40 horas semanais ao programa.

 

Outra parte dos desistentes às vagas informou que entrou em residência médica, recebeu outra proposta, ou teve problemas pessoais. Os médicos convocados que desistirem de participar do programa devem informar o município onde estão alocados, que irá notificar o Ministério da Saúde. O governo diz que tem entrado em contato com os profissionais por telefone.

 

Até as 18h de terça-feira (4), 8.405 vagas do programa Mais Médicos haviam sido preenchidas, sendo que 3.276 inscritos já haviam se apresentado ou iniciado o trabalho. Os profissionais têm até o dia 14 de dezembro para confirmar o interesse. " O Ministério da Saúde está fazendo todas as medidas necessárias para garantir a assistência aos brasileiros que antes eram atendidos por médicos da cooperação com a OPAS", disse a pasta.

Saúde

04 de Dez // Foto: Agência Câmara | Saúde

O futuro ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse que é necessário aguardar o prazo final de inscrição no edital do Programa Mais Médicos antes de uma avaliação. Ainda assim, ele admite que ainda está “distante da realidade” uma afirmação de que a situação está resolvida. “Estou olhando com atenção e muito ciente de que a ideia de que está tudo resolvido está distante da realidade”, ponderou Mandetta.

 

“O problema pode ser o preenchimento de vagas nas áreas de difícil provimento, que muito provavelmente não serão ocupadas no país”. Como uma possível solução para a ausência de médicos, Luiz Henrique Mandetta sugeriu mecanismos de incentivo, como o abatimento da dívida com o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies).

 

“Há uma geração de médicos endividados, que pagam R$ 10 mil por mês numa faculdade de medicina por seis anos e saem com débitos de R$ 1 milhão”, argumentou. Outra opção citada pelo futuro ministro foi uma parceria com as Forças Armadas, que já mantém médicos em algumas regiões remotas do país. “Mas vamos esperar pelo resultado do edital”, reforçou Mandetta em entrevista à colunista Monica Bergamo, do jornal Folha de S. Paulo.

Saúde

03 de Dez // Foto: Reprodução | Saúde

Levantamento do Paraná Pesquisas, divulgado nesta segunda (3), aponta que 70,8% dos brasileiros aprovam a saída dos médicos cubanos do país. A decisão de deixar o Programa Mais Médicos foi anunciada por Cuba no mês passado, após exigências do presidente eleito Jair Bolsonaro. Foram entrevistadas 2.138 pessoas em 172 municípios de 26 estados do país e no Distrito Federal, entre 23 a 26 de novembro.

 

Deste total, 24,8% desaprovaram a saída dos profissionais e outros 4,3% não souberam ou não responderam. Para 54,7% da população, o responsável pela saída dos médicos foi o governo de Cuba, enquanto 27,6% apontam o presidente eleito Jair Bolsonaro como culpado. Outras pessoas creditaram a responsabilidade ao presidente Michel Temer (10,9%).

 

Aos próprios profissionais cubanos (1,8%) e aos médicos brasileiros (1,6%). A pesquisa do do Instituto Paraná Pesquisas avaliou ainda a percepção quanto ao preenchimento das vagas antes ocupadas pelos cubanos no programa federal. Para 63,6% da população do país, elas serão totalmente preenchidas, enquanto 19,5% acham que serão parcialmente preenchidas e outros 13,3% acreditam que não será possível preencher as vagas.

Saúde

02 de Dez // Folhapress | Saúde

Desde a saída dos médicos cubanos do Mais Médicos, o município de Juruá, no interior do Amazonas, vive um cenário de alerta na saúde. "Ficou o caos. Estamos mantendo o auxílio com base em enfermeiros e no único médico que temos, mas que também atende urgência e emergência e não pode ficar em tempo integral", diz a secretária de saúde do município, Nádia Teixeira segundo informações do Folhapress.

 

Localizado a 24 horas de distância da capital do estado, Manaus, e com acesso apenas por barco e lancha, a cidade de até 14 mil habitantes tinha até quinta (29) três vagas abertas no programa -e nenhum médico interessado em ocupá-las. "Quando vi o edital, já sabia que sairíamos prejudicados. Todo médico que vem aqui só quer ficar por 15 dias", relata Teixeira.

 

Além de Juruá, outras cidades ainda não tinham perspectiva de preencher todas as vagas após uma semana das inscrições. Em comum, são municípios de mais difícil acesso e com maior nível de pobreza -fatores que acabaram deixando para que ficassem em último na escolha de profissionais. Até quinta, todas as 151 vagas ainda disponíveis estavam em municípios de perfis 7 e 8 -considerados no edital como áreas de maior vulnerabilidade.

Saúde

29 de Nov // Foto: Agência Brasil | Saúde

A abertura de 8,5 mil vagas no Programa Mais Médicos provocou um processo de migração de profissionais que já atuavam em outros serviços do Sistema Único de Saúde. Cerca de quatro em cada dez médicos inscritos neste edital e alocados nos municípios já atuavam em unidades de saúde. Os dados são de um levantamento divulgado nesta quinta-feira (29), pelo Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde.

 

De acordo com o Conselho Nacional de Secretarias, a última relação nominal de inscritos no Mais Médicos divulgada pelo Ministério da Saúde contabilizava 7.271 profissionais alocados. Ao cruzar os dados com o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde, o Conasems constatou que, deste total, 2.844 já atuavam na Estratégia de Saúde da Família.

 

O número é ainda maior se contabilizados profissionais que atuam em outros serviços do SUS, como hospitais e UPAS. O levantamento aponta que, na Bahia, 325 dos médicos que atuavam na Estratégia Saúde da Família migraram para o Mais Médicos. Em números absolutos, o estado fica apenas atrás de Minas Gerais, onde o número chega a cerca de 400. Em diferentes proporções, o movimento afeta todas as unidades federativas.

Saúde

29 de Nov // G1 | Saúde

Foram confirmados 10.163 casos de sarampo no Brasil desde o início de 2018. O novo balanço foi divulgado pelo Ministério da Saúde. O país enfrenta dois surtos da doença, um no Amazonas e outro em Roraima. Uma força-tarefa foi feita em Manaus para tentar verificar os casos em investigação da doença. Mais de 7 mil suspeitas de sarampo precisavam ser esclarecidas, mas, o Amazonas zerou a "fila" dos registros.

 

O pico do número de infecções do estado ocorreu entre os meses de julho e agosto deste ano; em Roraima, entre fevereiro e abril. Ainda segundo o boletim do ministério, três estados apresentaram mortes pela doença: quatro em Roraima, seis no Amazonas e dois no Pará. Os surtos ocorridos no Brasil estão ligados à importação do genótico do vírus (D8) da Venezuela.

 

O país vizinho tem um alto número de casos desde de 2017. O Brasil atingiu a meta geral de vacinação de crianças contra sarampo e poliomelite estabelecida pelo Ministério da Saúde. A taxa proposta pelo governo era vacinar 95% do público-alvo (crianças de 1 a cinco anos). Segundo o balanço final, a cobertura vacinal ficou em 95,4% para a pólio e 95,3% para sarampo, totalizando 10,7 milhões de crianças vacinadas segundo o G1.

Saúde

29 de Nov // Bahia Notícias | Saúde

Para suprir a ausência de médicos nos rincões do país com o fim da parceria entre Brasil e Cuba no programa Mais Médicos, o secretário da Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, propôs a transferência da operacionalização do programa para as mãos dos estados. A sugestão foi apresentada na última quarta-feira (28), em Brasília, durante reunião do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS).

 

"A União assumiria o papel de regulação com a responsabilidade exclusiva de registro profissional dos médicos. E os estados poderão fazer uma gestão mais próxima do problema", explicou Vilas-Boas. O repasse seria direto da União aos estados e os custos loco-regionais de articulação junto aos municípios seriam assumidos pelos próprios entes federados.

 

Os dados apresentados pelo Ministério da Saúde mostram que mais de mil médicos brasileiros se inscreveram no edital de chamamento, após a saída dos profissionais cubanos. Destes, 216 estão trabalhando. Contudo, o secretário afirmou que as baixas têm data prevista para acontecer. "Nós não nos surpreendemos com o elevado número de brasileiros se inscrevendo no programa. Isso já vinha acontecendo ao longo dos últimos cinco anos".

Saúde

28 de Nov // Epitacio Pessoa/Estadão | Saúde

Segundo levantamento divulgado pelo Ministério da Saúde na última segunda-feira (26), 224 médicos que se inscreveram no programa Mais Médicos já se apresentaram em 118 municípios do país. O G1 fez um balanço desses primeiros dados divulgados sobre a ocupação das vagas e concluiu que um em cada três médicos que já formalizaram o vínculo com as prefeituras vai trabalhar em capitais ou regiões metropolitanas.

 

Esse tipo de cidade concentra, no entanto, apenas 18% das vagas disponíveis. A apuração levou em conta apenas 8.185 das 8.517 vagas disponíveis no edital (96%), ficando excluídas as 332 vagas em distritos indígenas. No edital, esses distritos aparecem abarcando mais de um município — não sendo possível saber, ainda, em qual deles o profissional se apresentou.

 

Veja alguns dos principais pontos: Os municípios considerados como “áreas vulneráveis” e “de extrema pobreza” somam, juntos, 46% das vagas do edital disponível pelo governo. No entanto, apenas 20% dos médicos já se apresentaram nesses dois tipos de cidade até a última segunda-feira (26). Os 100 municípios com mais de 80 mil habitantes do edital somam apenas 7% das vagas, mas contam com 15% dos médicos que já se apresentaram.

Saúde

28 de Nov // G1 | Saúde

A Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) registrou até esta última terça-feira (27), que 1.307 médicos cubanos já haviam retornado ao país caribenho. De acordo com a Organização Pan-Americana, os profissionais de saúde saíram do Brasil em sete voos fretados, e outros estão previstos para os próximos dias segundo informações do G1. Por enquanto, o único estado de onde os médicos ainda não saíram foi o Acre.

 

Os cubanos que já foram embora atendiam em 733 municípios de 25 estados e do Distrito Federal do país, afirma a Organização de Saúde, que mediou a participação dos caribenhos no Mais Médicos. No total, os profissionais caribenhos atuavam em cerca de 2,8 mil cidades brasileiras, além de 34 distritos indígenas, distribuídos em diversos estados.

 

Nesta última segunda-feira (26), o Ministério da Saúde divulgou a lista de municípios onde profissionais brasileiros já estão atuando em substituição aos médicos cubanos. Eles foram selecionados pelo último edital, aberto no dia 20, que abriu 8.517 vagas em todo o país. Até esta terça-feira (27), 97% delas já haviam sido preenchidas. Porta-voz diz que Cuba não foi procurada por Bolsonaro para discutir Mais Médicos Sobre o Programa Mais Médicos.

Saúde

28 de Nov // Foto: Karina Zambrana | Saúde

Para o representante da Organização Pan-Americana de Saúde no Brasil, Joaquín Molina, a chegada de médicos cubanos para atuar no Mais Médicos representou uma resposta emergencial a um momento em que o país "estava desesperado" devido à falta de profissionais no interior. Segundo Molina, que está no país desde 2012 e acompanhou o programa desde o início, "a necessidade de médicos estrangeiros era óbvia".

 

"Quando o Brasil criou o programa Mais Médicos, ele estava em uma situação desesperada, com milhares de vagas lançadas sucessivamente todos os anos [pelos municípios] e não ocupadas. E as que estavam ocupadas eram de forma parcial. Havia médicos por oito horas, 20 horas na semana, mas nunca com jornada de 40 horas", afirma segundo a Folha.

 

Cinco anos depois, ele diz que o alto número de médicos intercambistas em lugares onde não houve interesse de brasileiros mostra que problema da carência e má distribuição de médicos no país ainda persiste. "A situação se mantém. Hoje o Mais Médicos tem mais de 12 mil médicos, somando cubanos, brasileiros e estrangeiros formados no exterior. É um número expressivo." No dia 14, Cuba anunciou o fim da parceria com o Mais Médicos.

Saúde

27 de Nov // Foto: Agência Brasil | Saúde

O Brasil registrou, nos últimos quatro anos, redução de 16,5% na taxa de mortalidade por Aids. De acordo com boletim divulgado nesta terça-feira (27) pelo Ministério da Saúde, o índice passou de 5,7 por 100 mil habitantes em 2014 para 4,8 em 2017.O documento também aponta redução na detecção de HIV. Em 2012, a taxa era de 21,7 casos por cada 100 mil habitantes e, em 2017, foram 18,3, uma queda de 15,7%.

 

De 1980 a 2018, o Brasil registrou 926.742 casos de Aids, uma média de 40 mil novos casos por ano. Segundo o boletim, o país registrou redução significativa da transmissão vertical do HIV, quando o bebê é infectado durante a gestação. A taxa de detecção de HIV em bebê reduziu em 43% entre 2007 e 2017, caindo de 3,5 casos para 2 por cada 100 mil habitantes.

 

De acordo com o Ministério da Saúde, isso se deve ao aumento da testagem na Rege Cegonha, que contribuiu para a identificação de novos casos em gestantes. No ano de 2017, a taxa de detecção foi de 2,8 casos por 100 mil habitantes no país segundo informações do G1. Nos últimos 7 anos, ainda houve redução de 56% de infecções de HIV em crianças expostas infectadas pelo HIV após 18 meses de acompanhamento segundo informou a pasta.

Saúde

27 de Nov // G1 | Saúde

Doze médicos que se inscreveram no programa Mais Médicos já começaram a trabalhar na Bahia, segundo o Ministério da Saúde. Os outros devem assumir cargo nos próximos dias. Segundo o ministério, os profissionais que já estão em atuação foram alocados em 10 municípios. América Dourada, Central, Feira da Mata, Itabuna, Jequié, João Dourado, Santa Maria da Vitória, Santo Estevão, Seabra e Uauá.

 

Com exceção da cida de de Central, que recebeu três médicos, cada um dos outros nove municípios têm, até então, um profissional do programa em atuação. Conforme o Ministério da Saúde, até as 12h desta última segunda-feira (26), 97,2% das vagas em todo o país estavam preenchidas. Só na Bahia, são ofertadas 853 vagas no programa Mais Médicos.

 

O balanço mais recente do Ministério da Saúde aponta que 8.278 profissionais se cadastraram no Mais Médicos e estavam alocados para atuação imediata segundo informações do G1. Eles têm até 14 de dezembro para se apresentar no município escolhido e entregar todos os documentos exigidos pelo edital. Os médicos que já assumiram na Bahia já passaram por esse processo. O salário para os médicos do programa é de R$ 11.800.

Saúde

27 de Nov // G1 | Saúde

O Brasil teve 9.898 casos de sarampo confirmados até a última quarta (21). Os dados foram divulgados pelo Ministério da Saúde. Mais de 9 mil casos confirmados da doença se concentram no estado do Amazonas. Durante meses, mais de 7 mil casos no estado ficaram sob investigação até que uma força-tarefa ajudou a confirmar os casos resultando em um salto do número de casos confirmados da doença no país.

 

Roraima vive um surto, mas com um número bem inferior: são 347 casos confirmados. A maior concentração de casos aconteceu entre fevereiro e abril e agora o número de novos casos está caindo. No Amazonas, o número de casos também está caindo e a alta dos casos confirmados se deve ao acumulado de casos sob investigação dos meses de julho e agosto.

 

Ainda segundo o boletim, três estados apresentaram mortes pela doença: quatro em Roraima, seis no Amazonas e três no Pará. Ainda segundo o Ministério da Saúde, os surtos de sarampo que o Brasil enfrenta nos dois estados estão relacionados à importação do vírus de genótipo D8 da Venezuela, país que enfrenta um surto da doença desde 2017. Casos isolados também relacionados à importação foram identificados em alguns estados.

Saúde

26 de Nov // Agência Brasil | Saúde

O Ministério da Saúde informou que 97,2% das vagas ofertadas em novo edital do Programa Mais Médicos foram preenchidas. De acordo com a pasta, até as 12h desta segunda-feira (26), 8.278 profissionais já estavam alocados em municípios para atuação imediata segundo a Agência Brasil. Ainda segundo a pasta, a apresentação dos médicos e a entrega de documentos previstos no edital deve ser feita até 14 de dezembro.

 

Até esta última sexta-feira (23), 40 profissionais haviam se apresentado às unidades básicas de saúde. As inscrições para a nova seleção do programa seguem até 7 de dezembro por meio da página www.maismedicos.gov.br. O site, de acordo com o ministério, está estável. Podem participar profissionais formados no Brasil ou com diploma estrangeiro revalidado.

 

“O edital é a medida emergencial adotada pelo governo brasileiro para garantir a assistência em locais que contam com profissionais de Cuba, após o comunicado da Organização Pan-Americana da Saúde no qual o governo cubano informa que encerrou a cooperação no Programa Mais Médicos”, informou a pasta. Levantamento do Conselho Federal de Medicina aponta que, entre 2013 e 2018, o número de médicos no país cresceu 21%.

Saúde

26 de Nov // Foto: Divulgação/Reprodução | Saúde

Não é novidade que o açúcar dos alimentos processados e industrializados é o grande vilão da diabetes, além de outras doenças. O Ministério da Saúde e a indústria alimentícia brasileira decidiram assinar um acordo que visa diminuir a quantidade de açúcar nas composições de muitos desses alimentos. Entram na lista iogurtes, sucos de caixinha, refrigerantes, achocolatados, biscoitos, entre outras delícias.

 

Segundo o Ministro Gilberto Occhi, esta é uma das ações preventivas contra problemas de saúde da população brasileira, que teve sua expectativa de vida aumentada 30 anos nas últimas sete décadas e precisa pensar no envelhecimento com mais qualidade de vida. O prazo é de cinco anos para que a indústria alimentícia reduza 144 mil toneladas de açúcar.

 

Segundo dados, a Organização Mundial de Saúde (OMS) sugere um consumo de açúcar de até 50g por dia, ou seja, 10% das calorias consumidas diariamente seria o ideal. O brasileiro consome 50% a mais que a meta da Organização de Saúde: 80 gramas por dia, sendo que 36% são os açúcares já presentes nos alimentos industrializados. A indústria terá algumas metas de redução, especialmente as que adicionam açúcar mais que a média.

Saúde

26 de Nov // Foto: Reprodução / Pixabay | Saúde

Poluição, fuligem e até mesmo a fumaça do cigarro podem danificar a pele, mas nenhum desses fatores desgasta tanto ela quanto o uso de maquiagem por longos períodos do dia. O problema torna-se maior quando somado ao desconhecimento sobre o assunto: a pesquisa mais recente sobre o tema, feita pelo jornal britânico Daily Mail, revelou que 30% das mulheres tem o costume de dormir com maquiagem.

 

A estudante Barbara Bardella, 21 anos, afirma que as consequências de virar o dia sem limpar o rosto podem não ser boas. Em junho deste ano, ela teve um tersol por dormir sem retirar toda a maquiagem. "Quando eu acordei, estava com acúmulo de rímel no canto interno do meu olho. Lavei o rosto, mas como uso rímel direto, acho que foi acumulando cada vez mais."

 

Em agosto deste ano, ela teve o mesmo problema por excesso de oleosidade. Por conta disso, passou a evitar o uso das makes. "Toda vez que eu uso maquiagem e não a tiro, minha pele fica puro óleo. Isso é um problema seríssimo, porque eu faço uso de isotretinoína [para acne] e atrapalha o tratamento", conta a estudante Barbara Bardella, que agora reserva a maquiagem apenas para ocasiões como festas segundo informações do Folhapress.

Saúde

26 de Nov // Foto: Karina Zambrana/Ascom | Saúde

O Ministério da Saúde informou ontem (25), que 96,6% das 8.517 vagas oferecidas pelo novo edital do Programa Mais Médicos já foram preenchidas. Ao todo, 8.230 profissionais já estão inscritos nos municípios onde foram ofertadas vagas e têm até 14 de dezembro para comparecer aos locais a fim de entregar todos os documentos. Até agora, segundo a pasta, 40 médicos já se apresentaram nas unidades básicas de saúde.

 

O edital exige que o médico seja formado no Brasil ou tenha tido o diploma revalidado pelo Ministério da Educação, caso tenha se graduado no exterior segundo informações do Uol Notícias. A inscrição vai até o próximo dia 7 de dezembro deste ano no site do programa, data que foi prorrogada devido a instabilidades no sistema e a ataques cibernéticos.

 

"A alta procura dos profissionais e os ataques cibernéticos ao sistema de inscrição provocou lentidão no sistema e, por isso, o Ministério da Saúde prorrogou as inscrições", justifica. Apesar dos ataques, o governo afirma não ter havido invasão no sistema. O Brasil tem registrados mais de 450 mil médicos, segundo o Conselho Federal de Medicina (CFM), mas encontra dificuldades para levar profissionais ao interior do país e às grandes periferias.

Saúde

26 de Nov // Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil | Saúde

Nas paredes e vidraças, 12 marcas de bala. Na entrada, uma sala de espera vazia, transferida para um auditório escondido da linha de tiro. Nos fundos, uma porta de emergência, construída para facilitar a fuga em caso de confrontos. Pode parecer um bunker de guerra, mas é a clínica da família Ministro Adib Jatene. Ela fica no meio do complexo de favelas da Maré, de frente para uma rua com conflitos entre policiais e traficantes.

 

Sete dias foi quanto uma médica pernambucana aguentou ali antes de desistir do emprego em 2017. Desde o início do ano, há três vagas para brasileiros no programa Mais Médicos, de um total de 12, sem reposição por falta de interesse. O risco de ser atingido por disparos que afugenta os médicos brasileiros das unidades de saúde em favelas do Rio de Janeiro.

 

E esse é mais um desafio do governo desde a semana passada -quando os médicos cubanos começaram a deixar o Brasil após o fim do convênio entre os dois países. Só eles que ocupavam de forma duradoura esses postos, que sofrem com a alta rotatividade de profissionais brasileiros assustados com os episódios de violência. Havia 224 cubanos do programa no estado e 41 na capital, a grande maioria em áreas periféricas segundo a Folha.

Saúde

25 de Nov // Foto Joá Souza/A Tarde | Saúde

O número de transplantes de órgãos cresceu 19,5% na Bahia, no primeiro semestre deste ano. No total, foram feitos 55 operações, em comparação às 46 do mesmo período de 2017. O balanço final do segundo semestre ainda não foi fechado, mas um dos transplantes do mês de novembro foi feito nesta última sexta-feira (21), na cidade de Barreiras, oeste da Bahia. A decisão de doação partiu da família de Maurício Sá Telles.

 

Maurício perdeu o filho de apenas 3 anos. A criança deu entrada no Hospital do Oeste no último sábado (10), deste mês, após uma crise convulsiva. Ele teve morte encefálica – quando somente o cérebro para de funcionar – confirmada. A equipe médica consultou os pais e informou sobre os procedimentos, e a família concordou em doar os órgãos do menino.

 

“As pessoas que podem viver, as crianças que podem viver através dele, a gente tem um conforto. É da vontade de Deus que a gente possa ajudar o próximo”, disse Maurício Sá Telles segundo informações do G1. A equipe responsável pelo transplante saiu de Salvador para fazer a retirada dos órgãos. Foram coletados os dois rins e as duas córneas. O médico Daniel Viriato explica que o procedimento de retirada e transplante é bastante seguro.

Saúde

25 de Nov // Foto: Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil | Saúde

Uma nova leva de médicos cubanos regressou ao seu país na noite da última sexta-feira (23), saindo do Aeroporto de Brasília rumo a Havana. A operação de retorno dos profissionais que atuavam no programa Mais Médicos por meio de um acordo de cooperação celebrado entre a Organização Panamericana de Saúde (OPAS) e Ministério da Saúde teve início na última quinta-feira (22), com dois voos saindo da capital.

 

Na sexta (23), pouco mais de 30 profissionais embarcaram de volta à terra natal. No sabádo (24), novos voos sairam levando outros integrantes do programa. A expectativa da OPAS é que a operação de regresso dure até o dia 12 de dezembro. Os profissionais estão deixando os municípios onde estavam para embarcar em voos em três cidades além de Brasília.

 

Os voos sai de Manaus, Salvador e São Paulo. A volta dos mais de 8 mil trabalhadores e o encerramento do acordo com o Brasil para atuação no Mais Médicos foi uma decisão do governo cubano depois de declarações do presidente eleito Jair Bolsonaro chamando-os de escravos da administração socialista e dizendo que alteraria as regras do programa segundo informações da Agência Brasil. Bolsonaro disse que instituiria novas obrigações.

Saúde

24 de Nov // Por Renata Farias | Saúde

“O retorno ao trabalho é entendido como um dos aspectos de retorno à normalidade na vida do paciente com câncer”. No entanto, na opinião da oncologista Luciana Landeiro, esse é um assunto pouco discutido. Um estudo conduzido pela médica baiana, da equipe do Núcleo de Oncologia da Bahia, revelou que mulheres com diagnóstico de câncer de mama têm dificuldade de manter suas atividades no mercado de trabalho.

 

“O objetivo era tentar entender um pouco mais as dificuldades da nossa população. A princípio, o objetivo foi avaliar uma população de pacientes do SUS. O estudo foi conduzido no ICESP, que é o Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, que atende apenas a pacientes do Sistena Único de Saúde”, explicou segundo informações do Bahia Notícias.

 

Foram acompanhadas 125 mulheres ao longo de dois anos, após o diagnóstico de câncer de mama. A pesquisa coletou dados sobre características demográficas, situação de emprego, saúde, comorbidade, tipo de emprego, apoio dos empregadores e parceiros de vida, ganho de peso, dor e linfedema. As participantes também foram questionadas sobre a postura do empregador, as necessidades de tratamento do câncer e a discriminação.

Saúde

24 de Nov // G1 | Saúde

Foram preenchidas 92% das 8.517 vagas disponíveis do novo edital do Programa Mais Médicos, de acordo com o Ministério da Saúde. Segundo a pasta, até as 17h desta última sexta-feira (23), o site recebeu o cadastro de 25.901 médicos com registro (CRM) no Brasil. As inscrições, que iriam até domingo (25), foram prorrogadas até o próximo dia 7 de dezembro devido a ataques cibernéticos. O início das atividades é imediato.

 

Ainda de acordo com a pasta, 7.871 profissionais já concluíram todo o processo e selecionaram o município onde desejam atuar. "Na apresentação ao município, que vai até 14 de dezembro, o médico deve entregar todos os documentos exigidos no edital. Até o momento, 27 médicos já se apresentaram nas unidades básicas de saúde", informou a pasta em nota.

 

“Com a alta procura e a apresentação imediata do médico ao município, a expectativa é de suprir a ausência do médico cubano com o médico com CRM o mais rápido possível”, afirmou o ministro da Saúde, Gilberto Occhi. No último edital lançado para o programa, em dezembro de 2017, a demanda por vagas era alta: o Ministério recebeu mais de 8 mil inscrições para 983 vagas. O programa conseguiu preencher quase 100% das vagas no país.

Saúde

23 de Nov // Agência Brasil | Saúde

O Ministério da Saúde prorrogou para o dia 7 de dezembro o prazo de inscrição de profissionais brasileiros e estrangeiros com registro no Brasil que queiram participar da nova seleção do Programa Mais Médicos. A medida foi tomada devido à instabilidade no site do programa causada por ataques cibernéticos, que foram identificadas desde o primeiro dia de inscrição. O prazo para as inscrições terminaria no próximo domingo (25).

 

A prorrogação já havia sido anunciada mais cedo pelo ministro da Saúde, Gilberto Occhi, em Petrolina, Pernambuco. Com a mudança, o prazo para apresentação dos médicos nos municípios para a homologação do contrato também foi estendido. Agora os inscritos terão até o dia 14 de dezembro para entregar a documentação no município escolhido e iniciar o trabalho.


A data prevista para início da apresentação dos médicos já inscritos nos municípios foi adiantada. Os médicos poderão se apresentar a partir desta sexta (23). Sobre a instabilidade do site, o Departamento de Informática do SUS informou que está atuando para melhorar o sistema de inscrições. “O setor já identificou a maior parcela de máquinas programadas que estão promovendo os ataques à página do Mais Médicos”, diz a nota da pasta.

Saúde

22 de Nov // Foto: Reprodução | Saúde

O Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems) divulgou nesta quinta-feira (22), um levantamento que aponta que pelo menos 285 cidades em 19 estados do país devem ficar sem médicos na atenção básica de saúde com a saída dos cubanos do programa Mais Médicos. Esse número ainda pode ser ampliado, de acordo com a entidade. Na Bahia, a cidade de Santa Teresinha pode ser afetada.

 

Cada equipe de Saúde da Família possui um médico responsável. Os médicos cubanos atuavam nessas equipes, que contam com 4 mil habitantes, de acordo com o G1. A estimativa, no entanto, não considera se o município tem algum medico em estabelecimento da rede privada ou se a cidade tem parceria com o município vizinho para assistência mútua.

 

A atenção básica é a rede de atendimento que abrange prevenção, diagnóstico, tratamento, reabilitação, redução de danos e manutenção da saúde e o trabalho é realizado em unidades básicas de sáude e espaços equivalentes. A saída do Mais Médicos foi anunciada agora em novembro pelo governo cubano, sem informar até quando os médicos atuariam no programa. A previsão é de que todos voltem para Cuba até 12 de dezembro.

Saúde

22 de Nov // Foto: Leo Caldas/Estadão | Saúde

O ministro da Saúde, Gilberto Occhi, anunciou que novos prazos serão estabelecidos para prorrogação do edital do Programa Mais Médicos. A decisão está relacionada à alta procura dos profissionais e aos ataques cibernéticos ao sistema de inscrição. “Apesar dos ataques, não houve invasão, mas isso acaba tornando o sistema mais lento. Por isso, estamos estudando nova data de efetivação das inscrições”, afirmou Occhi.

 

Segundo o Ministério da Saúde, o sistema do Maisédicos recebeu mais de 1 milhão de acessos simultâneos no momento da abertura das inscrições. É mais que o dobro do número de médicos em atuação no país. Até a manhã desta quinta, já foram registradas 6.394 inscrições, efetivadas 2.812 e alocados 2.209 médicos com CRM Brasil ou os que revalidaram os diplomas.

 

Outra mudança anunciada pelo ministro será a que vai permitir que o médico já inscrito possa se apresentar no município antes de 3 de dezembro. “Nós estamos querendo suprir a possível ausência ou presença do médico cubano com o médico com CRM o mais rápido possível, por isso, vamos possibilitar que o médico que quiser, se apresente ao posto de trabalho imediatamente, antes de 3 de dezembro” segundo informações do jornal Globo.





Classificados


Enquete



Mais Lidas