Notícias

Política

Política

13 de Ago // Foto: Lula Marques / AGPT | Política

Embora os parlamentares tenham definido o período das duas próximas semanas como "esforço concentrado", tanto a Câmara dos Deputados quanto o Senado Federal devem ficar vazios. Isso é comum no início das campanhas em ano eleitoral, quando os políticos concordam que não é o momento ideal para se pautar assuntos polêmicos.

 

Para esta próxima semana, algumas propostas em pauta na Câmara são um projeto de lei, que visa fortalecer os mecanismos de proteção das mulheres vítimas de violência doméstica e familiar, e uma medida provisória que concede desconto de R$ 0,30 no litro do óleo diesel nas refinarias do país até o fim deste ano.

 

Segundo informações do G1, nesta próxima terça-feira (14), a Mesa Diretora da Casa volta a se reunir para discutir a cassação do deputado federal Paulo Maluf (PP). Condenado a mais de sete anos por lavagem de dinheiro, ele cumpre prisão domiciliar. Já no Senado Federal, a pauta ainda não é conhecida, de acordo com a Agência Brasil. "Vamos fazer pauta intensa para o próximo esforço concentrado. Não sei quais projetos iremos pautar".

Política

12 de Ago // Foto: Stephanie Mitchell | Política

Nada de tanques nas ruas, conspirações militares, palácios em chamas. Nas últimas décadas, dizem os cientistas políticos Steven Levitsky e Daniel Ziblat, a maior parte dos políticos autoritários chegou ao poder pelo voto dos eleitores segundo a Folha. Nesse cenário, a democracia é corroída aos poucos, muitas vezes de maneira quase imperceptível.

 

Os cidadãos continuam a votar, Constituições e instituições permanecem vigentes, mas os líderes encontram brechas para aumentar seus poderes, alongar mandados, enfraquecer órgãos de controle, intimidar oponentes e a imprensa. É o que ocorreu em países a exemplo de Venezuela, Peru, Rússia, Hungria e Nicarágua.

 

No livro "Como as Democracias Morrem", Levitsky e Ziblat, ambos professores da Universidade Harvard, estudam esses casos e dão um passo além: sistemas constitucionais mais tradicionais também estão sujeitos a riscos. Há razões para alarme nos Estados Unidos, argumentam, uma vez que a polarização partidária extrema desgastou as normas democráticas, processo que teria se acelerado com a eleição presidêncial de Donald Trump em 2016.

Política

11 de Ago // Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil | Política

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, afirmou na sexta-feira (10) que a morte da vereadora Marielle Franco pode ter sido motivada por disputas políticas. De acordo com a Agência Brasil, ele preferiu não entrar em detalhes sobre o caso durante entrevista a jornalistas. "Temos envolvimento de agentes públicos e também de políticos", declarou.

 

"Existem várias pistas, desde disputas até a questão de ocupação de cargos, mas prefiro não avançar porque acho que, se a gente passar de um certo momento, a gente termina contribuindo negativamente para o avanço das investigações que estão caminhando", explicou segundo informações da Agência Brasil.

 

A morte da vereadora e do motorista dela, Anderson Gomes, aconteceu no dia 14 de março. Nesta sexta, o ministro sugeriu que casos com envolvimento de político têm maior dificuldade de resolução, mas disse confiar na conclusão do inquérito. “Quando você tem o envolvimento daqueles que detêm o poder, [eles] de fato têm uma capacidade de, digamos assim, uma resiliência e uma capacidade de mobilizar defesas ou mobilizar meios de resistir", afirmou.

Política

10 de Ago // | Política

O líder da oposição na Assembleia Legislativa da Bahia, Luciano Ribeiro (DEM), criticou a gestão do governador Rui Costa na área da segurança pública, após o Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2018, divulgado na quinta-feira (9), mostrar, novamente, que a Bahia foi o estado com mais mortes decorrentes de crimes violentos no ano passado.

 

“É lamentável que, há uma década, a Bahia seja campeã no número de homicídios em todo o país e que, mais uma vez, pesquisas provem aquilo que os baianos presenciam ou sentem na pele todos os dias, nos últimos anos”, disse. Segundo o estudo, 6.247 foram vítimas fatais de Crime Violentos Letais Intencionais (CVLI) em 2017.

 

O número equivale a 11% de homicídios com intenção de matar, assaltos à mão armada e lesões corporais seguidas de morte ocorridas no país. Os números superam os de estados maiores, como Rio e São Paulo. “O que falta mesmo é o governo tomar uma atitude e buscar medidas para reduzir esse triste quadro, com melhores salários para os policiais, mais estrutura e policiamento e com a criação de políticas inclusivas,”, enfatizou.

Política

10 de Ago // Foto: Leonardo Prado / Câmara dos Deputados | Política

O deputado federal Paulo Maluf (PP) descumpriu as regras do seu regime domiciliar ao telefonar para a redação da revista Valor Econômico, nessa última quarta-feira (8). O caso ocorreu um dia antes de a Mesa Diretora da Câmara dos Deputados adiar por mais de uma semana a decisão sobre a possível cassação de seu mandato parlamentar.

 

Os parlamentares alegaram a necessidade de mais tempo para coletar novas informações sobre o caso. Paulo Maluf foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por lavagem de dinheiro. De acordo com a Valor, o deputado federal tentou, por cinco vezes, das 8h45 às 9h24, ligar para um número de celular.

 

"Esse número não é do ministro?", questionou, surpreso, ao ser atendido por uma repórter. A publicação afirma que ao longo da conversa, que durou pouco mais de um minuto, o parlamentar não especificou qual era o ministro que procurava. Mas comentou que se sentia bem, que estava em uma sessão de fisioterapia e ainda brincou dizendo que não era fácil transformar um carro velho em uma Ferrari. Julgamento deve voltar à pauta na próxima terça (14). 

Política

09 de Ago // Foto: Nelson Jr./STF | Política

Importantes juristas internacionais enviaram carta à presidenta do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, na qual manifestam grande preocupação com a condução dos processos judiciais contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No documento, eles pedem também uma audiência com Cármen, “se vossa excelência tivesse disposição de nos receber”.

 

Entre os autores da carta, figura o juiz Baltasar Garzón, advogado licenciado em Madri e famoso mundialmente por ter mandado prender o ditador do Chile Augusto Pinochet em 1998. A carta será enviada também aos presidentes da França, Emmanuel Macron, do governo espanhol, Pedro Sánchez, e ao primeiro-ministro de Portugal, António Costa.

 

O documento, dizem os missivistas, tem o objetivo de “transmitir nossa preocupação frente ao que nos parecem irregularidades sérias que afetam o inquérito policial e o processo que conduziram a recente condenação” de Lula. A preocupação "aumentou com os entraves criados para evitar sua libertação”. Segundo os juristas, a correspondência é baseada em "diversas fontes". Eles citam vários fatos como argumentação. Conversa Afiada.

Política

08 de Ago // Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil | Política

A Câmara dos Deputados aprovou medida provisória que isenta os eixos suspensos de caminhões de cobrança de pedágio. A medida foi editada pelo presidente Temer durante a greve dos caminhoneiros que paralisou as rodovias do país. A isenção dos eixos suspensos era uma reivindicação antiga, mas são contestados pelas concessionárias.

 

O texto ainda tem que ser votado pelo Senado. Nas carretas vazias, os eixos sobressalentes são mantidos suspensos por economia. Dessa forma, não ocorre o desgaste dos pneus. Os sindicatos entendem que a isenção de pedágio é justificada porque, sem o contato do pneu com o solo, seria menor o desgaste do pavimento.

 

As concessionárias argumentam que o desgaste do asfalto não estaria ligado diretamente à quantidade de eixos em toque com o solo, mas em função da pressão que cada eixo exerce sobre a via. A Câmara dos Deputados também aprovou na última terça outra medida provisória da greve dos caminhoneiros, que destina 30% dos fretes da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) para autônomos segundo informações do Folhapress.

Política

08 de Ago // Foto: Reprodução/ EBC | Política

O candidato a Presidência da República, Jair Bolsonaro afirmou nesta última terça-feira (07), que não cabe ao companheiro a decisão sobre o aborto. Em entrevista à Folha de São Paulo, o presidenciável disse que "não compete ao outro lado", se referindo aos homens. Durante a conversa com a repórter Anna Virginia Balloussier, Bolsonaro disse.

 

"Vamos supor que eu tenho um relacionamento contigo. Você quer o aborto", afirmou, então, que caberia à repórter definir o que fazer nesse caso. Na entrevista o candidato foi questionado se já passou por uma situação em que teve que discutir sobre a possibilidade de aborto. Ele respondeu que sim.

 

“Já. Passei para a companheira. E a decisão dela foi manter. Está ali”, disse e apontou para uma foto do quarto filho, Jair Renan. Embora diga que a mulher tem o poder da decisão, Bolsonaro afirma que, como parlamentar, votaria contra legalizar o aborto. Garante também que, se eleito, exerceria seu poder presidencial e vetaria uma lei pró-aborto eventualmente aprovada pelo Congresso. “Mas se o Congresso derrubar o veto, aí eu não posso fazer nada”, completa.

Política

07 de Ago // | Política

Com investimento entre R$ 6 bilhões e R$ 7 bilhões, a licitação da ponte Salvador-Itaparica será publicada ainda neste ano. O governador Rui Costa (PT) disse que essa é uma das metas da sua gestão. "Pra fazer um investimento desses e pra confirmar a participação, o investidor quer detalhes, mínimos detalhes de tudo", explica o governador.

 

Rui participou nesta terça-feira (7), do Encontro de Pré-Candidatos ao Governo do Estado da Bahia, no Hotel Mercure. O petista ressaltou que o projeto da ponte, que ligará a ilha à capital baiana deve, finalmente, sair do papel. Outra licitação com expectativa de ser publicada até dezembro é a Ferrovia de Integração Oeste-Leste.

 

O investimento para esse projeto é privado e também gira em torno de R$ 7 bilhões. "Então, eu espero que haja [interesse] por parte do governo atual, inclusive, que ele execute os compromissos assumidos para a sociedade, de fazer audiência pública em agosto e fazer a licitação até dezembro", estima o governador. De acordo com ele, já há empresas e consórcios interessados em participar do leilão segundo informações do Bahia Notícias.

Política

06 de Ago // Gildásio Cavalcante | Política

Com tom de desabafo, o candidato do PDT à sucessão presidencial, Ciro Gomes, criticou nesta segunda-feira (6) o PT e o PSDB e acusou as estruturas políticas tradicionais de darem "rasteira" e "punhalada pelas costas".

 

Em anúncio da senadora Kátia Abreu como sua candidata a vice-presidente, ele atacou a "confrontação amesquinhada" dos dois partidos que, desde a disputa presidencial de 1994, polarizam a corrida ao Palácio do Planalto.

 

"É só fuxico, é só tratativa de gabinete, é só conchavo, é só rasteira, é só punhalada pelas costas. Porque a base moral da falta de escrúpulo na política é a mesma base moral de quem tem falta de escrúpulo diante do dinheiro publico", disse.

 

No mês passado, após semanas de negociações, os partidos do chamado centrão desistiram de apoiar o presidenciável para anunciar aliança com Geraldo Alckmin, do PSDB. 

 

Em uma articulação conduzida pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o PSB, que estava prestes a fechar com o PDT, decidiu no domingo (5) ficar neutro na disputa presidencial.

 

Para Ciro, é curioso que as estruturas tradicionais de poder não estejam apoiando os candidatos à sucessão de Michel Temer mais bem colocados nas pesquisas de intenções de voto, como Jair Bolsonaro (PSL), Marina Silva (Rede) e ele.

Política

06 de Ago // Foto: Tânia Rêgo/ABr | Política

Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da Organização dos Estados Americanos (OEA) pediu que o Brasil adote medidas cautelares de proteção para Mônica Teresa Azeredo Benício, viúva de Marielle Franco, vereadora do Rio de Janeiro assassinada no dia 14 de março. A decisão foi tomada no dia 1º de agosto e divulgada ontem (5).

 

Mônica tem sido alvo de ameaças, assédio e perseguição que podem ter relação com o assassinato de Marielle Franco. Na nota, a comissão observa que, embora o Estado tenha informado sobre a existência de mecanismos de proteção para defensores de direitos humanos no Brasil, Mônica não conta com tais medidas.

 

Com base no artigo 25 do Regulamento da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, o órgão solicitou ao Estado brasileiro que adote as medidas necessárias para proteger os direitos à vida e à integridade pessoal de Mônica Benício, bem como para que ela continue realizando seu trabalho como defensora dos direitos humanos sem ser objeto de ameaças, assédio ou atos de violência no exercício de suas funções segundo a Agência Brasil.

Política

05 de Ago // | Política

Mônica Benício, viúva da vereadora Marielle Franco, afirmou que tem sofrido ameaças e, em razão delas, pediu proteção à Comissão Interamericana de Direitos Humanos, órgão vinculado à Organização dos Estados Americanos. A notícia foi divulgada pelo jornal O Globo, ao qual Mônica relatou episódios recentes de ameaça e perseguição de carros.

 

Até sábado (4), a reportagem não conseguiu contato com a arquiteta. O caso de Marielle - assassinada em 14 de março, no centro do Rio, junto com o motorista Anderson Gomes - está sendo acompanhado pela CIDH, que em 8 de maio promoveu uma audiência para discutir o crime e cobrar providências do governo brasileiro.

 

Mônica tem mantido contato com o órgão e, segundo contou ao jonal O Globo, foi aconselhada a pedir proteção diante das ameaças que vem sofrendo - além de ser seguida de carro, ela citou a vulnerabilidade e o discurso de ódio de que tem sido vítima nas redes sociais. O pedido foi aprovada pela CIDH em 3 de agosto e, diante dele, a OEA deve aumentar a pressão sobre o governo brasileiro pela segurança da viúva da vereadora  Marielle.

Política

04 de Ago // | Política

O pré-candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, afirmou que existe a possibilidade de privatizar a Petrobras, se eleito em outubro, apesar de ser "pessoalmente contra" a ideia. "Se não tiver uma solução, eu sugiro a privatização da Petrobras segundo o FolhaPress. Acaba com esse monopólio estatal. Se não tiver solução, tem que privatizar".

 

É o que disse ele em entrevista ao Central das Eleições, programa da GloboNews, nesta última sexta (3). "Eu entendo que a Petrobras é estratégica. Por isso eu não gostaria de privatizá-la, esse é o sentimento meu. Então é o recado que eu dou para o pessoal da Petrobras: vamos ajudar a buscar uma solução."

 

O candidato Jair Bolsonaro também afirmou que acha estratégico manter o Banco do Brasil e a Caixa Econômica como estatais, sinalizando que não pretende privatizá-los. Sobre os Correios, o presidenciável afirmou que a estatal "lamentavelmente não tem jeito". Dizendo que nos governos do Partido dos Trabalhadores foram criadas estatais sem necessidade, Jair Bolsonaro também afirmou que a solução não é privatizar, e sim extinguir.

Política

04 de Ago // Gildásio Cavalcante | Política

s vésperas da convenção deste sábado (4), o governador Rui Costa (PT) definiu, após tratativas com aliados, que haverá “chapão” na composição proporcional para disputa de assentos na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA).

 

Em nota divulgada na noite desta sexta-feira (3), o governador admite que a semana foi “bastante tensa” até quem as arrumações fossem concluídas. O BNews acompanhou os passos das conversas e noticiou a ameaça de rebelião do PSD caso o PT não declinasse da ideia de não integrar o chapão.

 

O curto-circuito, como disse o deputado estadual Angelo Coronel, foi superado tão logo o Palácio de Ondina abrigou os descontentes para mais uma rodada de acordos.

 

“O importante é que os partidos mostraram amadurecimento e amplo poder de diálogo”, afirma Rui, ao contornar o embate desta última semana “foi importante para fortalecer ainda mais o grupo que vai disputar as eleições em outubro”. 

Política

04 de Ago // | Política

Pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB, Geraldo Alckmin disse que considera a possibilidade de extinguir o Ministério do Trabalho, caso seja eleito. Ele também defendeu a reforma trabalhista, aprovada pelo governo Temer em meio a uma série de protestos. O tucano fez as declarações na quinta-feira (2), em entrevista à GloboNews.

 

"É uma ideia que nós estamos amadurecendo. Um governo deve sair o máximo que ele puder. Esse é um assunto dos trabalhadores. Como fazerem o seu sindicato, a sua representação poder ter meios de subsistência? É um assunto deles, dos trabalhadores, eles que vão decidir", afirmou o presidenciável.

 

Alckmin se refere aos próprios sindicatos e a cobrança do imposto sindical, a que chamou de "absurdo". Ele garante que, se vencer o pleito, a contribuição não voltará a ser obrigatória. "O Brasil tem 17 mil sindicatos, 11,5 mil sindicatos de trabalhadores e 5,7 mil sindicatos patronais. [O imposto sindical] Não voltará, nós somos contra", ressaltou. O tucano vai oficializar sua candidatura neste sábado (4), durante a convenção nacional do PSDB.

Política

04 de Ago // Gildásio Cavalcante | Política

A política pode ser um jogo muito cruel e, por isso, desperta muitas paixões e ódios. É ela quem revela os extremos da alma humana: a extrema nobreza e, nestes tempos estranhos que vivemos no Brasil, mais ainda, a extrema indignidade.

 

Escrevo no início da tarde desta sexta-feira, dia 03 de agosto do corrente e crítico ano de 2018. Os fatos estão correndo de forma tão frenética e surpreendente que preciso datar e dizer a hora. Até o presente momento ninguém do PSB me informou que decisão tomaram ou tomarão acerca de sua posição na sucessão presidencial.

 

Diz a grande imprensa, com certa euforia, que o PSB teria acertado um acordo com a cúpula do PT. Não, como seria natural, para apoiar o candidato do PT, mas para me isolar na luta, tirando-me segundos de tempo de TV. Em troca, a burocracia do PT cortaria o pescoço de sua jovem candidata a governadora de Pernambuco, Marília Arraes, e o PSB faria o mesmo com o seu candidato a governador em Minas Gerais, Marcio Lacerda.

 

Minha palavra agora é para a militância da minha candidatura e para os brasileiros e brasileiras, todos e todas que tem simpatia pela questão nacional, se preocupam com a injustiça de nossa sociedade profundamente desigual e todas as expressões de preconceito e violência que humilham amplas maiorias de nosso povo, mas especialmente as mulheres, os negros e os pobres.

 

Minha palavra se dirige aos progressistas, todos e todas. Aos que trabalham, por primeiro, e a quem produz.

 

Muita calma nesta hora!

 

A violência e o grosseiro equívoco desta atitude da cúpula do PT não devem nos retirar a atenção do que realmente interessa: estas eleições são a última chance, como País, de salvarmos o Brasil da legitimação, pelo voto, desta agenda antipobre, antinacional e antidecência que nos governa desde que o golpe usurpou o poder através de Michel Temer e sua gangue.

Política

01 de Ago // | Política

O presidente Michel Temer (MDB) cancelou as viagens oficiais que faria para a Colômbia e para o Paraguai em agosto segundo informações do FolhaPress. A decisão se deu após conversas com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), para evitar que eles sejam obrigados a deixar o país novamente.

 

Sempre que Temer viaja, Maia e Eunício são sucessores na linha presidencial já que o país não tem atualmente um vice-presidente. Contudo, pelo calendário eleitoral, desde abril eles estão impedidos de ocupar interinamente o Palácio do Planalto para não se tornarem inelegíveis para novos mandatos como deputado e senador.

 

Nesses casos, quem tem assumido o cargo é a presidente do STF, Cármen Lúcia. Os dirigentes das casas legislativas já foram forçados a fazer quatro viagens para o exterior deste abril, mesmo número de vezes que Cármen assumiu o Planalto. Temer havia programado viajar para a Colômbia em 7 de abril para participar da posse de Manuel Santos na presidência do país latinoamericano, o uribista Iván Duque, eleito em abril deste ano.

Política

01 de Ago // | Política

Manifestantes fizeram na terça (31) um protesto em frente ao Supremo Tribunal Federal pela liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. De acordo com a Agência Brasil, o protesto durou cerca de 40 minutos e houve um princípio da confusão, quando pouco mais de dez pessoas tentaram permanecer em frente à entrada exclusiva dos ministros.

 

Os manifestantes foram retirados por um cordão humano formado por seguranças do tribunal. Algumas pessoas chegaram a cair no chão, mas deixaram o local. Seis dos manifestantes anunciaram o início de uma greve de fome por tempo indeterminado até que o ex-presidente seja beneficiado com um habeas corpus.

 

Eles são ligados ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e a outras entidades que atuam em defesa de indígenas e atingidos por barragens. Lula está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba desde o dia 7 de abril, por determinação do juiz Sérgio Moro, que ordenou a execução provisória da pena de 12 anos e um mês de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, no caso do tríplex em Guarujá (SP).

Política

01 de Ago // | Política

O pré-candidato do PSOL à Presidência, Guilherme Boulos, defendeu uma revisão na lei 8.666, que regulamenta as licitações. Em palestra para empresários da Associação Comercial do Rio, Boulos disse que o objetivo é desburocratizar as licitações e ao mesmo tempo criar mecanismos que evitem a prática de cartéis e fraudes nas disputas.

 

O candidato, identificado com ideias de esquerda e defensor do papel do estado como fonte de desenvolvimento econômico, deu poucos detalhes de como faria isso na prática. Disse que a ideia é que empresas menores possam contratar com o Estado com mais facilidade do que ocorre atualmente segundo informações da Folha.

 

Ele disse acreditar que o modelo posto hoje em dia, em que as contratações são feitas pelo menor preço, acaba por beneficiar as grandes empresas, que têm economia de escala e capacidade de cobrar menos pelos serviços prestados. Segundo o candidato Guilherme Boulos, a lei atual não impediu a organização de cartéis em diversas obras públicas. A fala do candidato foi interpretada como um aceno à plateia formada por comerciantes do Rio.

Política

31 de Jul // | Política

O governo do presidente Temer é desaprovado por 87,4% dos eleitores brasileiros, de acordo com levantamento divulgado pelo Instituto Paraná Pesquisas. Apenas 9,1% aprovam a administração, enquanto 3,6% não sabem ou não opinaram. O detalhamento da pesquisa aponta que 61,8% consideram o governo péssimo e outros 16,3% avaliam como ruim.

 

Para 16,2%, a administração é regular. Por outro lado, 3,9% dos eleitores dizem que o governo é bom, enquanto 0,6% o classificam como ótimo. Do total de entrevistados, 1,3% não sabem ou não opinaram. O levantamento ouviu 2.240 eleitores em 170 municípios de 26 estados e Distrito Federal, entre os dias 25 e 30 de julho.

 

Com margem de erro de 2% e grau de confiança de 95%, a pesquisa foi registrada no TSE. Em junho deste ano, a reprovação de Temer chegou a 82%, segundo os entrevistados em todo o país na pesquisa do Datafolha. No Nordeste o presidente foi rejeitado por 87% das pessoas ouvidas. No Sul e Sudeste o número chegou a 80%. O presidente bateu o próprio recorde como presidente mais impopular desde a redemocratização do Brasil.

Política

31 de Jul // | Política

O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) amenizou o papel de Portugal e responsabilizou os próprios negros pelo tráfico negreiro que perdurou do século 16 ao 19, levando de forma forçada, segundo historiadores, cerca de 12 milhões de africanos às Américas. "O português nem pisava na África. Foram os próprios negros que entregavam os escravos", disse.

 

Ele falou durante entrevista no Roda Vida, da TV Cultura, na segunda (30). A declaração foi dada quando questionado pelo diretor da ONG Educafro, Frei David, sobre a política de cotas raciais. Bolsonaro se declarou contra a ação, dizendo que a mesma era uma política para "dividir o Brasil entre brancos e negros".

 

Diante do posicionamento, o deputado federal foi questionado sobre de que forma pretendia reparar a dívida histórica existente diante da escravidão, no que Bolsonaro respondeu: "Que dívida? Eu nunca escravizei ninguém na minha vida". Após declarar que os negros eram entregues pelos próprios negros, o candidato passou a recebeu a réplica do apresentador do programa, Ricardo Lessa, que afirmou que o tráfico era feito pelos portugueses.

Política

30 de Jul // | Política

Preso há quase quatro meses após ser julgado, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) diz estar mais filósofo e manso segundo informações do jornal Folha de S. Paulo. Foi o que afirmou a jornalistas a monja budista Coen Roshi, que visitou o petista na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba na tarde desta segunda-feira (30).

 

"Estou ficando mais filósofo, mais manso. Eu acalmo pessoas que vem falar comigo com muita raiva, com muita angústia. Eu faço com que eles fiquem bem, porque as coisas são como são e não são eternas, são transitórias", teria dito o ex-presidente Lula segundo a monja segundo a publicação.

 

A monja relatou que os dois meditaram juntos e que ela contou ao ex-presidente sobre os padres do deserto, homens que fazem o voto de viver sozinhos, em solidão e em silêncio. "Que não é um castigo, tomar isso como uma oportunidade de crescimento espiritual", disse. Coen Roshi, missionária da tradição Soto Shu, também afirmou que Lula contou histórias de sua vida, de como tem lido e meditado, e que acredita em alguma coisa muito maior que o conduz.

Política

29 de Jul // Gildásio Cavalcante | Política

Queridos companheiros e companheiras da Bahia.

 

O povo baiano sabe muito bem o que o PT fez por este estado com Jaques Wagner e Rui Costa. Sabe também o que o PT foi capaz de realizar durante o tempo que governou o Brasil, fazendo o país crescer como nunca, gerando um número recorde de empregos com carteira assinada, reduzindo as desigualdades sociais e regionais que pareciam eternas, investindo em saúde e educação como nenhum outro governo na história.

 

O povo baiano sabe também, e sabe na carne, tudo o que foi desfeito desde que os golpistas tomaram de assalto o Palácio do Planalto e rasgaram os votos de 54 milhões de brasileiros. Destruíram conquistas que foram resultado de décadas e décadas de luta da classe trabalhadora, cortaram programas sociais, desmantelaram a saúde e a educação a pretexto de “corte de gastos”, quando sabemos que cuidar do povo não é gasto, é investimento. Eles trouxeram de volta o desemprego, a fome e a mortalidade infantil. E não satisfeitos, estão entregando nossas riquezas a preço de banana.

 

É por causa da memória e da consciência do povo baiano e brasileiro que nós vamos eleger de novo o Rui e o Jaques, e vamos voltar a governar este país. Mas é preciso lembrar que nossos adversários entram todos os dias na casa do povo, sem pedir licença, em forma de horas e horas de bombardeio no Jornal Nacional e outros telejornais, vomitando mentiras e semeando o ódio contra nós. Sem falar nas fake news que eles espalham na internet através de uma milionária rede de intrigas.

Política

29 de Jul // | Política

Condenado no mensalão e recentemente suspeito de envolvimento em fraudes no Ministério do Trabalho, o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, recebeu do partido R$ 302,2 mil ao longo do ano de 2017 a título de "serviços técnico-profissionais - outros". Por mês, seria o equivalente a uma remuneração de R$ 25,2 mil para Jefferson.

 

Praticamente toda oriunda do fundo partidário, abastecido com recursos públicos -98% da receita do PTB no ano passado veio dessa rubrica. O candidato à Presidência pelo PDT, Ciro Gomes, também ganhou de seu partido, sob a justificativa de ter prestado serviços dessa natureza, no valor de R$ 253,3 mil.

 

E o ex-ministro Carlos Lupi, presidente da agremiação, recebeu R$ 155,8 mil nas mesmas circunstâncias segundo informações do Folha Press. A obscura rubrica "serviços técnico-profissionais", pouco fiscalizado até este ano, quando o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) divulgou pela primeira vez a prestação de contas dos partidos em dados abertos, revela uma série de pagamentos a dirigentes nacionais de 13 siglas, num total de R$ 5,1 milhões.

Política

29 de Jul // | Política

Logo ele, um sujeito que medita, não se reconheceu ao ver a TV. Assim o ministro Luís Roberto Barroso narrou neste último sábado (28), na Festa Literária Internacional de Paraty, como se sentiu após a desavença que teve com o colega do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes, a quem acusou de ter "pitadas de psicopatia" em março deste ano.

 

"Não vou explorar esse assunto. Quando vi na TV pensei, 'essa pessoa não sou eu, eu sou um sujeito que medita todos os dias, vivo de bem com a vida'", disse o ministro em debate na Casa Época/Voque, neste último sábado (28), durante a Flip. A plateia gargalhou quando Barroso logo emendou: "Não me arrependi, não".

 

Referia-se ao bate-boca que teve na corte, cinco meses atrás, com Gilmar. "Me deixa de fora desse seu mau sentimento. Você é uma pessoa horrível. Isso não tem nada a ver com o que está sendo julgado. É um absurdo Vossa Excelência aqui fazer um comício cheio de ofensas, grosserias. Já ofendeu a presidente, já ofendeu o ministro Fux, agora chegou a mim", interrompeu Barroso naquela sessão segundo informações do Folhapress.

Política

29 de Jul // | Política

A ação de partidos e de governos para manipular a opinião pública por meio das redes sociais está crescendo e já atingiu cerca de 48 países nos últimos 12 meses entre 2017 e 2018, diz um novo estudo feito pela Universidade de Oxford, do Reino Unido. São 20 países a mais do que na versão anterior da pesquisa, divulgada há um ano.

 

O crescimento de manipulação é impulsionado principalmente por países da América Latina e do sudeste asiático. O Brasil já estava na lista desde o ano de 2017. "As ferramentas e técnicas de manipulação estão constantemente evoluindo e se tornando mais sofisticadas" disse à reportagem Samantha Brown.

 

Brown é doutoranda do Instituto da Internet de Oxford e autora do estudo com Philip Howard. Segundo a pesquisa, divulgado no sábado, esses grupos organizados por atores políticos atuam disseminando fake news (notícias mentirosas), criando perfis falsos para aumentar artificialmente a importância de determinados assuntos e candidatos e usando análise de dados para fazer propaganda a públicos específicos segundo informações do Folhapress.

Política

28 de Jul // Gildásio Cavalcante | Política

Dois aliados de Jair Bolsonaro (PSL) falaram a cerca de 20 investidores, na sexta-feira (27), na XP, em São Paulo – o presidente do partido no estado, Major Olímpio, e Fabio Wajngarten, que atua na comunicação do presidenciável.

 

De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, os dois deixaram claro que, com o cenário de fragmentação das candidaturas, Bolsonaro aposta todas as fichas no primeiro turno.

 

Numa exposição realista, admitiram que, se a eleição tiver duas etapas, como acontece desde 2002, as chances de o deputado vencer serão menores. Bahia.Ba. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
 
 

Política

26 de Jul // | Política

O programa de governo da candidatura do Partido dos Trabalhadores ao Palácio do Planalto nesta eleição vai propor limitar a atuação do STF (Supremo Tribunal Federal), inclusive com mandatos para os ministros que compõem a corte, e revisar leis aprovadas para combater corrupção e crime organizado segundo informações do jornal Folha.

 

Segundo a versão mais recente do documento, à qual o jornal Folha de S. Paulo teve acesso, o Partido dos Trabalhadores quer que a competência do Supremo Tribunal Federal esteja "limitada ao controle de constitucionalidade das leis" para transformar o tribunal em "efetiva Corte Constitucional".

 

"Temos que caminhar para transformar o STF em efetiva Corte Constitucional, com competências limitadas ao controle de constitucionalidade das leis. Em linha com a experiência internacional das democracias consolidadas, e como elemento-chave de uma República, faz-se necessário instituir tempo de mandatos para os membros do STF e das Cortes Superiores de Justiça, não coincidente com a troca de governos e legislaturas", diz o texto.

Política

26 de Jul // | Política

Quando boa parte dos leitores nasceu, dois deputados estaduais com mandato eletivo atualmente já estavam em atividade. Jurandy Oliveira, 81 anos, e Reinaldo Braga (PR), 78 anos. Cada um deles tem nove mandatos na Assembleia Legislativa. Ambos devem disputar a reeleição e, caso se reelejam, chegarão em 2022 com dez mandatos, totalizando 40 anos.

 

Mandato político, em tese, não deveria ser profissão. Não existe contrato, não tem carteira assinada. Mas o sistema político-eleitoral permite que assim a política seja encarada. Jurandy, advogado de formação, nasceu em 1937 em Ipirá, interior baiano. Desde que assumiu mandato na AL-BA, passou por treze partidos.

 

Antes de atuar na Assembleia Legislativa da Bahia, foi prefeito por dois mandatos em sua cidade natal. Médico de formação, Reinado Braga já foi vereador e prefeito da cidade de Xique-Xique, no Vale do São Francisco. Aportou na Assembleia Legislativa em 1983 pelo PDS. De lá para cá, já esteve em quatro partidos diferente. Diferentemente de Jurandy, Braga chegou a assumir o posto máximo do Parlamento baiano entre 2000 e 2003.

Política

26 de Jul // | Política

O período de convenções partidárias começou na última sexta-feira (20) ainda com incertezas sobre o manejamento do fundo partidário dentro dos partidos. Além da falta de definição na organização das chapas proporcionais, os partidos baianos aguardam as executivas nacionais decidirem sobre a distribuição do dinheiro para as campanhas.

 

O prazo final para solução da aresta é o dia 15 de agosto, último dia possível para se registrar uma candidatura e de pré-campanha. O senador Otto Alencar declarou que ainda não existe qualquer certeza sobre a distribuição do fundo partidário na sua sigla que é o PSD segundo informações do Bahia Notícias.

 

O presidente do PSD baiano disse que aguarda uma reunião com o presidente nacional da legenda, Gilberto Kassab (PSD), para tomar qualquer decisão, mas que naturalmente candidatos ao Congresso devem receber uma fatia maior da verba. “Cada candidato a deputado federal pode puxar seus candidatos para estadual", opinou. Nos bastidores existe a expectativa que parte dos fundos vá majoritariamente para candidaturas de deputados federais.

Política

26 de Jul // | Política

Partido do presidenciável Jair Bolsonaro, o PSL foi a legenda mais fiel ao governo Temer em votações na Câmara ao longo do primeiro semestre deste ano. Levantamento da consultoria Arko Advice mostra que os parlamentares da sigla - atualmente oito, incluindo Bolsonaro - acompanharam o governo em 67,73% das votações.

 

Em seguida aparece o MDB (64,34%) - partido de Temer, que tem como pré-candidato ao Palácio do Planalto o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles. O comportamento do PSL contrasta com as críticas que o presidenciável vem fazendo ao atual governo. Foram analisadas 107 votações de interesse do Planalto.

 

O PSDB, do pré-candidato Geraldo Alckmin, aparece como terceiro mais alinhando ao governo, com um índice de 63,05% das votações. Os demais partidos com pré-candidatos na corrida presidencial aparecem com índices menores que 30%. O PDT do presidenciável Ciro Gomes, por exemplo, acompanhou o governo em apenas 23% das votações, enquanto a Rede, de Marina Silva, em 18,4%, e o PT, em 5,27% segundo o Estadão Conteúdo.

Política

25 de Jul // | Política

Coordenador do programa de governo do PT e apontado como possível substituto do ex-presidente Lula, condenado e preso na Lava-Jato, na disputa presidencial - possibilidade que ele neste momento nega -, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad disse que o partido pretende mudar a forma de escolha dos ministros do Supremo Tribunal Federal.

 

Hoje, a atribuição é do presidente da República. Sobre a tática do PT de insistir com a candidatura do ex-presidente - potencialmente enquadrado na Ficha Limpa - até os últimos recursos na Justiça Eleitoral, ele disse que "a situação é tão inédita" que não sabe "avaliar se vai dar tempo de transferir os votos".

 

As informações são do Estadão Conteúdo. Reforma do Estado - Tem uma reforma mais ampla de algumas instituições de Estado que tem a ver com os controles externos. Entendemos que, para continuar nossa política de fortalecimento destas instituições, e fomos reconhecidamente um governo que fortaleceu Polícia Federal, Ministério Público, deu independência ao Judiciário, os controles externos estão, por assim dizer, pouco externos.

Política

25 de Jul // | Política

O novo ministro do Trabalho do governo do presidente Michel Temer, Caio Luiz de Almeida Vieira de Mello, foi autuado 24 vezes, entre 2005 e 2013, por fiscalização do Ministério do Trabalho. Nesse período, ele foi alvo de infrações trabalhistas na fazenda de sua propriedade, em Conceição do Rio Verde, no Sul de Minas Gerais segundo o jornal Folha.

 

No período da fiscalização, Vieira de Mello era desembargador e vice-presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, em Belo Horizonte. De acordo com reportagem da Folha de S.Paulo, em 2009, durante uma fiscalização, foram encontrados na fazenda do ministro dois trabalhadores rurais sem registro em carteira de trabalho.

 

Ou seja, sem o pagamento de benefícios trabalhistas - FGTS, INSS e férias remuneradas. A autuação gerou multas de R$ 46 mil. Os auditores do Ministério do Trabalho fizeram sete fiscalizações entre 2005 e 2013 na Fazenda Campestre, onde o ministro mantinha uma plantação de café. Além dos dois funcionários que estavam há três anos trabalhando sem registro em carteira, a fiscalização encontrou falhas de segurança e de higiene na fazenda.

Política

24 de Jul // | Política

Um grupo de simpatizantes do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva jogou tinta vermelha em uma das entradas do STF (Supremo Tribunal Federal), por volta das 12h30 desta terça-feira (24). Os manifestantes fizeram uma performance em frente à sede do tribunal com gritos de "Lula livre" e cartazes que simbolizavam a Constituição.

 

Ao final, o grupo arremessou sacos plásticos com tinta vermelha contra o chão da área externa do Salão Branco, por onde os ministros entram para as sessões. Segundo seguranças do tribunal, de 20 a 30 pessoas chegaram em duas vans para a manifestação. Elas deixaram o local antes de serem abordadas.

 

De acordo com um segurança, parte dos manifestantes usava máscaras e narizes de palhaço. A entrada do Salão Branco foi isolada e funcionários do tribunal começaram a realizar a limpeza. Os seguranças disseram que o grupo não fez ameaças físicas. Na última sexta (20), um grupo de simpatizantes de Lula também protestou em frente ao Supremo. Os seguranças suspeitam que sejam as mesmas pessoas segundo informações do Folha Press.

Política

24 de Jul // | Política

O ex-presidente Lula afirmou nesta terça-feira (24), em carta, que vai criar o "Dia do Volto". Direcionada ao presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Wagner Santana, o documento foi publicado na conta do Twitter de Lula que está preso em Curitiba, após condenação no âmbito da Lava Jato pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

 

"O imperador Dom Pedro I criou o Dia do Fico. E eu vou criar o dia do 'Volto' para, junto com o povo, fazer o Brasil feliz outra vez", escreveu o ex-presidente, em alusão ao dia em que Dom Pedro foi contra as ordens da Corte Portuguesa e decidiu ficar no Brasil segundo informações do Estadão Conteúdo.

 

Na carta, o ex-presidente Lula ainda diz que vai usar "com muito orgulho" uma blusa enviada por Wagner Santana e afirma que os trabalhadores e o sindicato são "sua própria vida". "Diga bem alto pra todo mundo ouvir: sou candidato a presidente da República, porque tenho certeza que posso recuperar o Brasil, recuperar empregos, salários, escolas, saúde, autoestima, dignidade e a soberania do nosso povo", acrescenta a carta escrita pelo petista.

Política

24 de Jul // | Política

A presidente do STF, Cármen Lúcia, assumiu interinamente a Presidência da República após o presidente Temer viajar para o México. A juíza assume o comando do país pela segunda semana seguida. Como o presidente Temer tem agenda na África do Sul, que ocorre entre os dias 25 e 27, Cármen deve permanecer no cargo durante toda a semana.

 

No total, essa é a quarta vez que a Ministra Cármen Lúcia comanda o país desde o início do período eleitoral. Os primeiros na linha sucessória para ocupar o cargo na ausência de Michel Temer do país são o presidente Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), seguido pelo do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE).

 

Ambos também viajaram ao exterior durante a ausência do presidente Michel Temer para evitar assumir o cargo e se tornarem inelegíveis nas próximas eleições, de acordo com as regras eleitorais. A presidente interina tem agenda de trabalho a partir das 14h, no Palácio do Planalto. Entre as autoridades que receberá estão os governadores do Rio Grande do Sul, Ivo Sartori; do Piauí, Wellington Dias, e de Minas Gerais, Fernando Pimentel.

Política

23 de Jul // | Política

O ministro da Secretaria, Carlos Marun, propôs um pacote de medidas para a candidatura de Henrique Meirelles (MDB) à Presidência que inclui, entre outros pontos, a criação de uma corte que se sobreponha ao STF, a anistia ao caixa dois cometido em campanhas passadas e a cobrança de um valor mínimo para o atendimento no sistema público de saúde.

 

Em mensagem encaminhada a Henrique Meirelles e a deputados do MDB, Carlos Marun afirma que o partido "tem um ótimo candidato" e "liberdade" para estabelecer um programa "que não seja refém das mazelas de um presidencialismo de coalizão" segundo informações do FolhaPress.

 

Segundo o ministro, responsável pela articulação política do governo Michel Temer, esse sistema –praticado pelo presidente, inclusive– tem a "tendência de transformar-se em um balcão de negócios". "Vamos desburocratizar as eleições, mas punir realmente o uso de dinheiro ilegal nos pleitos. Podemos propor uma forma de leniência para o caixa dois já praticado e o criminalizarmos para o futuro", diz o texto do ministro ao qual a Folha teve acesso.

Política

22 de Jul // por Talita Fernandes e Italo Nogueira | Folhapress | Política

Em seu primeiro discurso como candidato à Presidência da República pelo PSL, o capitão reformado Jair Bolsonaro fez um afago a gays, mulheres, negros e nordestinos, ao pedir união, ao mesmo tempo em que a ideologia é um mal tão grave quanto a corrupção.

 

Logo nos primeiros minutos de quase uma hora pela qual discursou, ele afirmou não ser o salvador da pátria, mas ao final usou o dito "Deus não chama os capacitados, capacita os escolhidos" para dizer que não entende de economia. Nesse momento, ele mencionou seu principal conselheiro na área, o economista Paulo Guedes.

 

Em evento realizado no Rio de Janeiro, o PSL oficializou o deputado federal como seu candidato ao Palácio do Planalto. O nome de seu vice ainda não foi formalizado, embora a advogada Janaína Paschoal, uma das favoritas para o posto, estivesse presente.

 

Bolsonaro repetiu várias de suas falas que vem fazendo desde que se filiou ao PSL em março deste ano. Ele voltou a criticar o centrão - bloco formado por DEM, PP, SD e PR - e a esquerda, a quem culpou pelos problemas atuais do país.

 

Ele voltou a falar que indicará um militar para comandar o Ministério da Defesa caso seja eleito e destacou que os militares terão papel de importância em eventual governo. "Irmãos do Exército, da Marinha e da Aeronáutica, vocês serão reconhecidos no meu governo. Vocês são atacados diuturnamente, acusados dos maiores absurdos por essa esquerda que está ai porque vocês são o último obstáculo para o socialismo", disse.

Política

22 de Jul // Gildásio Cavalcante | Política

O pré-candidato ao Palácio do Planalto pelo PSDB, Geraldo Alckmin, quer se encontrar com o empresário Josué Alencar (PR) para fechar os detalhes da aliança eleitoral entre eles ainda nesta segunda-feira (23). As informações são da jornalista Andréia Sadi, do portal G1.

 

Alencar foi indicado pelos partidos do “Centrão” (PR-PRB-DEM-PP) como vice na chapa de Alckmin.

 

Na semana passada, o empresário divulgou uma nota do exterior afirmando que, quando retornasse ao Brasil, iria tomar uma decisão.

 

Política

22 de Jul // Gildásio Cavalcante | Política

O candidato tucano Geraldo Alckmin volta a ser peça do jogo com o apoio do Centrão. Ganha um tempo de TV colossal, capilaridade e máquina, mas vincula-se também ao que há de mais atrasado e melhor representa a “velha política”. A bola agora rola no campo da esquerda, em resposta à jogada do adversário da centro-direita. E a resposta, por ora, não foi a busca da unidade, como fez a direita, mas o acirramento da disputa entre PT e PDT pelo apoio do PSB e do PC do B. 

 

No dia em que o mercado e o empresariado só não soltaram fogos de artifício para festejar o feito do candidato preferido, com a Bolsa subindo e o Real se valorizando, o PDT sagrou Ciro candidato em situação de isolamento, sem vice e sem alianças. Em seu discurso, ele voltou a defender Lula, acenou aos possíveis aliados da esquerda e até ao empresariado produtivo. Dever de ofício: o capital agora voltou a apostar tudo no tucano, depois de ensaiar até a assimilação de Bolsonaro, na busca de candidato capaz de evitar a vitória da esquerda. Vale dizer, de Ciro ou do candidato de Lula.

 

Na disputa pelo apoio do PSB e do PC do B, ambos divididos entre apoiar Ciro ou o PT, Lula autorizou o ex-prefeito Fernando Haddad a divulgar ontem os cinco eixos básicos de seu programa de governo. Buscou assim o contraste com Ciro, que andou fazendo concessões programáticas ao Centrão, inutilmente. O flerte com o bloco só lhe trouxe desgaste em seu próprio campo, onde tenta agora se recuperar. 

 

No PSB a divisão interna é tão dramática que levou o governador de São Paulo, Marcio França (que antes defendia o apoio a Alckmin) a sugerir o lançamento da senadora Lídice da Mata (BA) como candidata própria do partido para evitar a difícil escolha. Lídice acaba de ter sua candidatura ao Senado sacrificada numa aliança com o PT da Bahia, que preferiu um aliado conservador do PSD. Ingratidão do PT. Ela aparou o golpe, em nome da aliança local e vai concorrer à Câmara. Lançar-se candidata a presidente só para dar conforto ao partido seria um segundo e maior sacrifício, que deixaria fora do Congresso um dos melhores quadros do PSB. Ela recusou o cálice. 





Classificados


Enquete



Mais Lidas